Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, quinta 25 de maio 2017
Midia Kit, Clique aqui para receber as principais notícias
Política - Delação - Premiada

JBS ajudou a financiar campanhas de 1.829 candidatos de 28 partidos

O delator não deixa claro quais pagamentos foram feitos via caixa 2 e quais foram doações oficiais.

Apostando em um futuro bom relacionamento com prováveis candidatos que fossem eleitos em 2014, a J&F (holding controladora do grupo JBS) destinou mais de R$ 500 milhões para ajudar a eleger governadores, deputados estaduais, federais e senadores de todo o país, segundo os delatores. Em um dos depoimentos que prestou ao Ministério Público Federal (MPF), com quem firmou acordo de delação premiada já homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o diretor de Relações Institucionais e Governo da J&F, Ricardo Saud, entregou um levantamento detalhado em que aponta todos os candidatos financiados pela empresa.

De acordo com Saud, o total em dinheiro repassado por meio de “pagamentos dissimulados” alimentou as campanhas de 1.829 candidatos. Destes, 179 se elegeram deputados estaduais em 23 unidades da federação e 167, deputados federais por 19 partidos.

O delator não deixa claro quais pagamentos foram feitos via caixa 2 e quais foram doações oficiais. No depoimento, divulgado após a retirada do sigilo da delação, ele dá a entender que os valores citados se referem apenas às campanhas de 2014. Em outro depoimento, o dono da JBS, Joesley Batista, também afirmou que a maioria das doações feitas pela empresa tratava-se de propina disfarçada por contrapartidas recebidas.

“Doamos propina a 28 partidos”, contou Saud, admitindo que os mais de R$ 500 milhões destinados a agentes públicos para as eleições de 2014 formavam um “reservatório de boa vontade”. “Era para que eles não atrapalhassem a gente", afirmou.

O delator cita ainda que foram distribuídas "propina para 16 governadores eleitos e para 28 candidatos ao Senado que disputavam a eleição, a reeleição ou a eleição para governador”, acrescentou. Segundo ele, os governadores eleitos pertenciam ao PMDB (4), PSDB (4), PT (3), PSB (3), PP (1) e PSD (1).

Ao entregar a documentação aos procuradores, Saud enfatizou a importância do “estudo” que fez por sua própria conta. “Acho que, no futuro, isso aqui vai servir. Aqui estão todas as pessoas que direta ou indiretamente receberam propina da gente.” Os documentos liberados pelo STF não trazem a lista de todos os nomes que fariam parte deste levantamento aponta por Saud.

Atenção! O site "Realidade MT" não se responsabiliza por calúnias, injúrias, linguajar inapropriado, preconceituoso ou quaisquer afirmações de natureza ofensiva que venham a ser veiculadas nesse espaço, sendo que essa responsabilidade recai inteiramente sobre o usuário que se utilizar deste espaço democrático e livre de forma inadequada.

VÍDEOS

Diretor de Hospital Regional de Sorriso/MT chora ao relatar caos no hospital.

OPINIÃO

Não somos robôs
Na noite de 30 de janeiro de 1989, conversava com uma plateia de moços sobre o valor da vida e das...
DURA LEX SED LEX
Dura lex sed lex é uma expressão em latim que traduzida para a língua portuguesa significa "a lei é ...
ver mais

ENTRENENIMENTO

Cannes - 2017
Clint Eastwood critica "era do politicamente correto"

TECNOLOGIA

É - do - Brasil
Estudantes brasileiros são finalistas da maior feira de ciências do mundo

ESTADO

Economia
Mato Grosso será pioneiro em produção de etanol de milho
Operação - Cabrera
PF prende professor de educação física de Jaciara por pornografia infantil