Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, Peixoto de Azevedo/MT, quarta 18 de outubro 2017
Midia Kit
Política - MT - Operação - Zaqueus

Juiz determina sigilo de ação que investiga fraude fiscal de R$ 65 milhões

Solicitação partiu do delator do esquema, o advogado Themystocles de Figueiredo, que lavou dinheiro para servidores da Sefaz

O juiz Marcos Faleiros, da Vara Contra o Crime Organizado, acatou o pedido do advogado Themystocles de Figueiredo, delator do esquema que gerou uma fraude de R$ 65,9 milhões em autos de infração, e determinou o sigilo das investigações. A decisão foi divulgada, nesta terça-feira (10), no Diário de Justiça Eletrônico.

Na semana passada o magistrado marcou a audiência de instrução e julgamento para o dia 23 de outubro, quando serão ouvidas as testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público Estadual. Todas foram intimadas por carta precatória, por não residirem em Cuiabá.

A ação penal é derivada da Operação Zaqueus, que resultou na prisão dos agentes tributários André Neves Fantoni, Alfredo Menezes Mattos Junior e Farley Coelho Moutinho por receberem propina de R$ 1,8 milhão para reduzir multa de empresas. Somente para a Caramuru Alimentos S/A a autuação de mais de R$ 65,9 milhões foram reduzidos para R$ 315 mil.

Em resposta ao requerimento do delator o magistrado determinou que ele compareça a audiência, garantindo que será ouvido separado dos demais réus e também ficará em local seguro dentro fórum, longe dos demais acusados, por conta do acordo de colaboração premiada.

Themystocles foi o responsável por “lavar dinheiro” para os três servidores da Secretaria de Fazenda (Sefaz). Ele teria emitido nota fiscal do seu escritório com honorários advocatícios fictícios para a empresa Caramuru Alimentos.

Além dos agentes, o MPE também denunciou os advogados Sandra Mara de Almeida e Themystocles Ney de Azevedo de Figueiredo (delator); e os representantes da empresa Walter de Souza Júnior e Alberto Borges de Souza.

Operação Zaqueus

O esquema foi desmantelado pela Delegacia Fazendária (Defaz) após a prisão de André Fantoni, Alfredo Mattos Junior e Farley Moutinho (agentes de tributos estaduais) acusados de conceder decisões administrativas favoráveis a determinadas empresas em troca de propina. Eles teriam recebido cerca de R$ 1,8 milhão pelas facilitações.

Também são réus a advogada Sandra Mara de Almeida e os representantes jurídicos da empresa Caramuru, Walter de Souza Júnior e Alberto Borges de Souza.

As investigações se iniciaram através das informações fornecidas pelo advogado Themystocles Ney de Azevedo de Figueiredo, que levava dinheiro para o grupo. Ele buscou as autoridades para firmar um acordo de delação premiada.

De acordo com a Defaz, foi possível desvendar a formação de suposta associação criminosa instalada na referida secretaria, durante os anos de 2014 e 2016. Os investigados respondem pelos crimes de corrupção passiva, fraude processual, estelionato e lavagem de dinheiro.

As investigações apontam ainda o possível envolvimento de outras empresas com os mesmos agentes de tributos estaduais, que segundo o MPE estão sendo investigadas

Atenção! O site "Realidade MT" não se responsabiliza por calúnias, injúrias, linguajar inapropriado, preconceituoso ou quaisquer afirmações de natureza ofensiva que venham a ser veiculadas nesse espaço, sendo que essa responsabilidade recai inteiramente sobre o usuário que se utilizar deste espaço democrático e livre de forma inadequada.

VÍDEOS

Goleiro de time da Indonésia morre após se chocar com brasileiro

OPINIÃO

As crianças e a Mãe de Jesus
Em 12 de outubro, no Brasil, homenageamos Maria Santíssima, Mãe Universal da Humanidade, e as crianç...
CUT e MST são sindicatos ou facções
Os empregados brasileiro mal celebraram a derrubada da lei do governo federal aonde eram obrigados a...
ver mais

ENTRENENIMENTO

The - Traitor
Novo filme de Marco Bellocchio será rodado no Brasil

TECNOLOGIA

PornHub
Hackers distribuem malware no PornHub

ESTADO

Concurso
Polícia apura supostas falhas em concurso para delegado de MT e manda envelopes com provas para perícia
Pró - Estradas
Sinfra divulga datas das audiências em Alta Floresta, Alto Araguaia e Tangará da Serra