Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, Peixoto de Azevedo/MT, sexta 15 de dezembro 2017
Midia Kit
Política - MT - Operação - Esdras

Ministro aponta Paulo Taques como 'protagonista' de grupo de grampos telefônicos

Ribeiro Dantas, do STJ, diz que dados que embasaram pedido de prisão preventiva mostram vínculo do ex-chefe da Casa Civil com núcleo da Polícia Militar

O ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Ribeiro Dantas, aponta o ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, com protagonista no esquema de grampos telefônicos coordenado pela Polícia Militar em Mato Grosso.

Em julgamento do habeas corpus (HC), o ministro diz que os dados que embasam a decisão do desembargador Orlando Perri de prisão preventiva “demonstram” vinculo Taques com o “grupo criminoso”, apontado como articulador de montagem das escutas, desde a criação do Núcleo de Inteligência da Polícia Militar.

Segundo o desembargador Orlando Perri, os militares envolvidos nos casos são membros do alto escalão da PM e tinham relação direta com a Casa Civil.

“De uma análise perfunctória dos autos, observa-se que há dados que demonstram o vínculo do paciente [Paulo Taques] com o grupo criminoso, desde a criação do ‘Núcleo de Inteligência’ da Polícia Militar, responsável pelo início dos grampos ilegais. Como posto no decreto constritivo, ‘é incontestável mesmo que o investigado Paulo César Zamar Taques se apresenta - pelo menos diante dos elementos informativos até agora obtidos - como um dos principais protagonistas do grupo criminoso, e maior beneficiário das escutas telefônicas clandestinas’”, diz ministro.

A identificação do vínculo de Taques com o grupo coordenador dos grampos telefônicos levou o ministro a rejeitar o pedido de liberdade apresentado na semana passada pela defesa do ex-gestor. O pedido havia sido protocolado no dia 3 de outubro.

Paulo Taques foi preso no dia 27 de setembro na Operação Esdras, que desarticulou o núcleo da organização criminosa que, segundo o Tribunal de Justiça, agia para atrapalhar as investigações sobre as interceptações telefônicas clandestinas em Mato Grosso.

Além de Paulo Taques, foram presos o coronel da PM Airton Benedito Siqueira Junior (ex-secretário de Justiça e Direitos Humanos), o ex-secretário da Casa Militar Evandro Lesco, sua mulher Helen Christy Carvalho Dias Lesco, o sargento da PM João Ricardo Soler, o major da PM Michel Ferronato, o secretário afastado de Segurança Pública, Rogers Elizandro Jarbas, e José Marilson da Silva.

De acordo com a Polícia Civil, a Operação Esdras foi deflagrada para impedir que a organização criminosa executasse planos de obstrução da Justiça na investigação dos casos. As investigações apontam que o grupo tentava atrapalhar as apurações de grampos telefônicos com cooptação e coação de policial militar integrante no inquérito, para conseguir imagens e áudios do desembargador Orlando Perri, que pudessem ser deturpadas e usadas para pedir sua suspeição do magistrado do caso.

Atenção! O site "Realidade MT" não se responsabiliza por calúnias, injúrias, linguajar inapropriado, preconceituoso ou quaisquer afirmações de natureza ofensiva que venham a ser veiculadas nesse espaço, sendo que essa responsabilidade recai inteiramente sobre o usuário que se utilizar deste espaço democrático e livre de forma inadequada.

VÍDEOS

José Medeiros discursa sobre a saída de Tiririca da política

OPINIÃO

Crescer exige mudanças
Muitas vezes ouço as pessoas dizerem, eu odeio mudanças. Na verdade as pessoas odeiam que as cois...
Todo grupo é mais forte que o indivíduo.
Não é raro ouvir questionamentos como: Qual a importância de ser representado por um sindicato? ou Q...
ver mais

ENTRENENIMENTO

Netflix
Netflix pode distribuir internacionalmente ficção científica estrelada por Natalie Portman

TECNOLOGIA

Internet
Centenas de perfis falsos teriam tentado influenciar eleições no Brasil

ESTADO

Renegociação - de - Dívida
Governo se reúne com Banco Mundial e tratativas avançam
Benedito - Figueiredo
Secid vai rescindir contrato com empresa responsável por obra em ponte