Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, Peixoto de Azevedo/MT, segunda 18 de dezembro 2017
Midia Kit
Cidades - Sinop

Moradores fazem abaixo assinado pedindo a instalação da rodoviária

Mais de 3 mil moradores se mobilizam para que o empreendimento não seja paralisado

A população do entorno da área onde será construída a nova rodoviária do município de Sinop está dividida. Depois do abaixo assinado mobilizado por um colégio privado vizinho à área, pedindo a paralisação imediata da instalação da rodoviária, um novo movimento pede justamente o oposto.

O documento com mais de 3 mil assinaturas foi entregue à Câmara de vereadores na sessão desta quarta-feira (12). O abaixo assinado foi provocado por moradores do Jardim das Primaveras, bairro onde está o terreno destinado pela prefeitura para instalação da rodoviária. A alegação dos moradores é de que esse empreendimento impactará positivamente a população em seu entorno, trazendo desenvolvimento e valorização imobiliária.

Visão oposta da que motivou o primeiro abaixo assinado, provocado por uma instituição de ensino privada, que está na quadra vizinha de onde será construída a rodoviária. As 5 mil pessoas que assinaram este primeiro abaixo assinado acreditam que o impacto da instalação da rodoviária naquele local será negativo, comprometendo o trânsito e a segurança das pessoas no entorno.

A mobilização dos moradores do Jardim Primaveras mudou um pouco do tom dos discursos na Câmara. Durante a sessão, o presidente da Câmara, Ademir Bortoli (PMDB), solicitou a exibição de um vídeo, mostrando o projeto da nova rodoviária. O vídeo é um material institucional desenvolvido pelo Consórcio Grupo JVF, empresa vencedora do processo licitatório e que detém a concessão para construção e exploração da nova rodoviária. O institucional traz as projeções com maquetes em 3D de como serão as estruturas do empreendimento. O vereador Dilmair Callegaro (PSDB), em tom de ironia, pediu para que o VT fosse arquivado pela Câmara, afim de comparar no futuro com a obra “real” da rodoviária.

Outros vereadores se declararam a favor da construção da rodoviária naquele local.

Do que se trata?

No ano de 2013 a prefeitura unificou, com a anuência da Câmara, duas quadras localizadas no cruzamento das Avenidas Jacarandás com Palmeiras, já com o propósito de construir no local a nova rodoviária. O imóvel público, de 34,5 mil metros quadrados, está há menos de 100 metros da BR-163. Em maio de 2016 a prefeitura lançou o processo de concessão pública para a construção do empreendimento. O resultado foi homologado em setembro de 2016.

O detentor da concessão de 25 anos é o Consórcio Grupo JVF, composto pelas empresas Geoserv Serviços de Geotecnica e Construção Ltda; e El Shadai Participações e Empreendimento Imobiliários Ltda – ambas do Estado de Goiás.

O consórcio venceu a licitação apresentando o projeto para a construção de uma nova Rodoviária, projetando um investimento de R$ 18 milhões. O preço de referência fixado pela prefeitura era de R$ 13,1 milhões.

O novo terminal rodoviário deverá conter área coberta mínima de 17,9 mil m², com a implantação de centro de serviços, centro de lazer, centro de compras, pavimentação, calçamento, jardinagem e arborização de seu entorno. A rodoviária deverá dispor de instalações para Administração, Manutenção, Exploração Comercial e da Gerência.

As maquetes do projeto apresentado pelo Grupo JVF revelam um terminal imponente, amplo e com vários elementos urbanísticos em seu entorno, como jardins, espelhos d’água e chafariz. Dentro dos 17,9 mil metros quadrados da Nova Rodoviária, 2 mil m² serão de salas comerciais internas diversificadas. A área de espera dos passageiros no embarque e desembarque deverá conter no mínimo 636 acentos. Esses pontos deverão contar com catracas para fazer o registro dos usuários – uma forma a mais de controlar a emissão e cobrança de tarifas. A rodoviária terá 12 plataformas, que são os espaços para parada dos ônibus e embarque/desembarque de passageiros.

O terminal deverá contar com banheiros masculinos e femininos, com 5 lavatórios, 10 vasos sanitários e 5 chuveiros cada – incluindo os adaptados para portadores de deficiência. O saguão trará lojas, quiosques e uma praça de alimentação.

Entre os serviços para os usuários, o terminal deverá ter uma cessão de achados e perdidos, um guarda volumes, um Posto da Assistência Social e um do Juizado da Infância/Conselho Tutelar, além de uma brigada de incêndio e um posto de polícia.

Na área externa, estacionamento, um ponto de acesso coberto para quem chega de carro e espaço para circulação.

A construção do terminal está autorizada desde setembro do ano passado, embora ainda não tenha iniciado. O grupo detentor da concessão tem 12 meses para executar a obra.

Atenção! O site "Realidade MT" não se responsabiliza por calúnias, injúrias, linguajar inapropriado, preconceituoso ou quaisquer afirmações de natureza ofensiva que venham a ser veiculadas nesse espaço, sendo que essa responsabilidade recai inteiramente sobre o usuário que se utilizar deste espaço democrático e livre de forma inadequada.

VÍDEOS

José Medeiros discursa sobre a saída de Tiririca da política

OPINIÃO

Crescer exige mudanças
Muitas vezes ouço as pessoas dizerem, eu odeio mudanças. Na verdade as pessoas odeiam que as cois...
Todo grupo é mais forte que o indivíduo.
Não é raro ouvir questionamentos como: Qual a importância de ser representado por um sindicato? ou Q...
ver mais

ENTRENENIMENTO

Netflix
Netflix pode distribuir internacionalmente ficção científica estrelada por Natalie Portman

TECNOLOGIA

Internet
Centenas de perfis falsos teriam tentado influenciar eleições no Brasil

ESTADO

Renegociação - de - Dívida
Governo se reúne com Banco Mundial e tratativas avançam
Benedito - Figueiredo
Secid vai rescindir contrato com empresa responsável por obra em ponte