Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, Peixoto de Azevedo/MT, segunda 18 de dezembro 2017
Midia Kit
Política - MT - Delação - Premiada?

Riva nega ter feito delação contra Maggi

Estadão publica que Riva denunciou que dinheiro de precatórios foi usado para comprar apoio parlamentar no governo Maggi

O ex-deputado estadual José Riva (sem partido), negou ter denunciado o ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP) junto à Procuradoria Geral da República (PGR). A informação é do Jornal o Estado de São Paulo que circulou nesta segunda-feira (10), onde diz que o ex-parlamentar teria afirmado em sua delação premiada, junto à PGR e que Maggi teria pago R$ 260 milhões em precatórios para a construtora Andrade Gutierrez em troca de propina para garantir a compra de apoio de deputados estaduais durante a sua gestão no governo do Estado.

"Isso é totalmente inverídico. Eu nunca fiz um interrogatório sobre isso, nenhum depoimento. Nunca fiz confissão, nada", disse José Riva.

Já o advogado de defesa do Riva, Rodrigo Mudrovitsch, emitiu uma nota dizendo que o seu cliente nunca mencionou o assunto trazido à tona pelo Estadão. “A defesa de José Riva, em atenção ao que foi divulgado na data de hoje pelo jornal Estadão, informa que: 1. José Riva não firmou acordo de colaboração 2. José Riva nunca prestou depoimento com as informações mencionadas na reportagem”, diz a nota.

Já o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Blairo Maggi (PP), afirmou desconhecer as denúncias reveladas pelo Estadão.

"Não conheço esse assunto. Preciso ver o processo. As delações são assim ultimamente. As pessoas falam as coisas e depois tem que sair correndo atrás para ver o que é e se defender. Eu não li nada a respeito ainda", disse o ministro durante palestra na manhã de ontem (10) na 53º Expoagro de Mato Grosso.

Maggi também afirmou que a denúncia de suposto mensalinho a deputados do Legislativo já é denúncia antiga e espera que a Justiça investigue os fatos. "Isso já é denúncia antiga. Saiu há mais de um mês atrás. Estou deixando a Justiça cuidar disso, eu não tenho que ficar respondendo a cada delação que tem aí. As pessoas hoje para sair dos seus problemas acabam empurrando para outras pessoas. Eu não conheço esse assunto, não tinha isso, nunca teve. O tratamento com a Assembleia sempre foi o mesmo e vai continuar assim", pontuou.

De acordo com o Estadão, os pagamentos de precatórios foram realizados entre março de 2009 e dezembro de 2012. Blairo foi governador de Mato Grosso por dois mandatos consecutivos, entre 2003 e 2010. O dinheiro, segundo o ex-parlamentar, abasteceu uma conta-corrente usada para pagar deputados estaduais e integrantes da base em troca de apoio ao governo. O jornal O Estado de S. Paulo apurou que a negociação do acordo de colaboração de Riva com a PGR foi finalizado na sexta-feira passada. O ministro negou as acusações e afirmou que os pagamentos de precatórios seguiram o "rito legal".

Segundo Riva, o pagamento dos precatórios era apenas parte de uma manobra financeira para comprar a adesão dos deputados à base.

O delator narrou um encontro do qual participaram Maggi, o então secretário da Fazenda de Mato Grosso Éder Moraes e o ex-governador Silval Barbosa, sucessor do ministro da Agricultura no Executivo mato-grossense. Foi nessa reunião que ficou acertado o esquema do precatório.

Segundo Riva, o então governador era contrário à manobra financeira em um primeiro momento, mas, após a reunião, cedeu e aceitou autorizar a transação. Para que os valores chegassem até o operador, a Andrade Gutierrez teve de assinar, segundo o delator, um contrato de cessão de créditos com a Piran Participações e Investimentos, empresa da família do empresário Valdir Piran.

O acordo previa, de acordo com os relatos de Riva, que a construtora cedesse seu crédito de precatórios a Piran com deságio de 54%. Com isso, dos R$ 260 milhões pagos pelo governo de Mato Grosso à empreiteira, R$ 104 milhões foram parar nas contas usadas pelo operador do esquema.

Atenção! O site "Realidade MT" não se responsabiliza por calúnias, injúrias, linguajar inapropriado, preconceituoso ou quaisquer afirmações de natureza ofensiva que venham a ser veiculadas nesse espaço, sendo que essa responsabilidade recai inteiramente sobre o usuário que se utilizar deste espaço democrático e livre de forma inadequada.

VÍDEOS

José Medeiros discursa sobre a saída de Tiririca da política

OPINIÃO

Crescer exige mudanças
Muitas vezes ouço as pessoas dizerem, eu odeio mudanças. Na verdade as pessoas odeiam que as cois...
Todo grupo é mais forte que o indivíduo.
Não é raro ouvir questionamentos como: Qual a importância de ser representado por um sindicato? ou Q...
ver mais

ENTRENENIMENTO

Netflix
Netflix pode distribuir internacionalmente ficção científica estrelada por Natalie Portman

TECNOLOGIA

Internet
Centenas de perfis falsos teriam tentado influenciar eleições no Brasil

ESTADO

Renegociação - de - Dívida
Governo se reúne com Banco Mundial e tratativas avançam
Benedito - Figueiredo
Secid vai rescindir contrato com empresa responsável por obra em ponte