Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, Peixoto de Azevedo/MT, segunda 18 de dezembro 2017
Midia Kit
Política - MT - TJ - MT

TJ nega recurso de Riva e mantém acusação e bloqueio de R$ 4 milhões em bens

Os desembargadores Luiz Carlos da Costa, Antônia Siqueira e José Zuquim apontaram que a denúncia do Ministério Público do Estado, a respeito da compra de vaga no Tribunal de Contas do Estado, possui solidez e negaram o recurso de José Riva.

O ex-deputado estadual José Riva pleiteava suspender a decisão que acatou denúncia contra ele e outros oito, para apuração do suposto esquema de compra de vaga do Tribunal de Contas do Estado, decorrente da Operação Ararath.

O Tribunal de Justiça negou recurso do ex-deputado estadual José Riva, que pleiteava suspender a decisão que acatou denúncia contra ele e outros oito, para apuração do suposto esquema de compra de vaga do Tribunal de Contas do Estado, decorrente da Operação Ararath.

A decisão é de terça-feira (1º) e foi proferida pelos desembargadores Luiz Carlos da Costa, Antônia Siqueira e José Zuquim. Eles defenderam a manutenção da decisão do juiz da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, Luís Aparecido Bortolussi Junior, que determinou ainda o bloqueio de bens dos nove acusados, em até R$ 4 milhões.

São réus, além de Riva, o conselheiro afastado do TCE, Sérgio Ricardo, o conselheiro aposentado Alencar Soares Filho, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), o ex-secretário de Fazenda, Éder Moraes, o empresário e delator do esquema, Gercio Marcelino Mendonça Júnior (Júnior Mendonça), o ex-conselheiro Humberto Bosaipo, o filho de Alencar Soares, Leandro Valoes Soares e o ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

A denúncia do Ministério Público do Estado (MPE) apontou que Sérgio Ricardo teria comprado a vaga no TCE de Alencar Soares, pelo valor de R$ 12 milhões, em 2012. A articulação foi descoberta após delação de Júnior Mendonça, investigado na Operação Ararath.

Conforme o MPE, em 2009, o então governador Blairo Maggi, obteve do empresário, por meio de Éder Moraes, R$ 4 milhões para pagar o então conselheiro Alencar Soares. Este, teria “lavado” os valores usando contas bancárias de dois filhos e de uma empresa jurídica.

Sérgio Ricardo está afastado das funções desde janeiro deste ano.

“Portanto, presente conjunto probatório seguro a evidenciar a solidez da imputação, o recebimento da inicial e a indisponibilidade de bens são consequências lógicas. A impugnação aos depoimentos colhidos, bem como aos documentos juntados, será medida e pesada depois de regular instrução”, destacou o desembargador Luiz Carlos da Costa, em trecho da decisão.

Atenção! O site "Realidade MT" não se responsabiliza por calúnias, injúrias, linguajar inapropriado, preconceituoso ou quaisquer afirmações de natureza ofensiva que venham a ser veiculadas nesse espaço, sendo que essa responsabilidade recai inteiramente sobre o usuário que se utilizar deste espaço democrático e livre de forma inadequada.

VÍDEOS

José Medeiros discursa sobre a saída de Tiririca da política

OPINIÃO

Crescer exige mudanças
Muitas vezes ouço as pessoas dizerem, eu odeio mudanças. Na verdade as pessoas odeiam que as cois...
Todo grupo é mais forte que o indivíduo.
Não é raro ouvir questionamentos como: Qual a importância de ser representado por um sindicato? ou Q...
ver mais

ENTRENENIMENTO

Netflix
Netflix pode distribuir internacionalmente ficção científica estrelada por Natalie Portman

TECNOLOGIA

Internet
Centenas de perfis falsos teriam tentado influenciar eleições no Brasil

ESTADO

Renegociação - de - Dívida
Governo se reúne com Banco Mundial e tratativas avançam
Benedito - Figueiredo
Secid vai rescindir contrato com empresa responsável por obra em ponte