Bem-vindo ao site do Norte de Mato Grosso, terça 27 de junho 2017
Midia Kit, Clique aqui para receber as principais notícias

Da Câmara Setorial Temática de mediação em conflitos fundiários da AL/MT


Os conflitos fundiários no estado de Mato Grosso são situações recorrentes, seja no campo ou na cidade. A falta da devida regularização fundiária é um problema que afeta a todos: perde o poder público, pois deixa de arrecadar tributos, perde o comércio, tendo em vista que sem a documentação regularizada o cidadão não consegue financiamento bancário. Sobretudo, perde o cidadão mais carente, haja vista que a falta de documento de sua casa ou propriedade rural afeta diretamente sua dignidade.

Nesta linha, o deputado estadual Valdir Barranco (PT), que tem vasta experiência em matéria de conflitos fundiários, pois exerceu por anos o cargo de Superintendente Regional do INCRA/MT, me convidou para que desenvolvêssemos uma ferramenta dentro do legislativo com o intuito de contribuir com o judiciário, estado e municípios, ajudando a diminuir os conflitos fundiários rurais e urbanos.

Pois bem, ao iniciarmos as pesquisas, queríamos desenvolver algo diferente, moderno e novo. Até porque, as formas tradicionais de solução de conflitos existentes eram amplamente conhecidas da sociedade, e os resultados todos nos já sabemos. Assim, me deparei como uma palavra em italiano que me serviu de fonte inspiradora para o estudo em comento, trata-se da palavra “AGGIORNAMENTO – seria algo como atualização. O termo foi utilizado durante o Concílio Vaticano II e que o Papa João XXIII popularizou como expressão do desejo de que a Igreja Católica saísse atualizada do Concílio Vaticano II. O termo se expandiu para além do discurso religioso e costuma ser utilizado sempre que se pretende fazer uma adequação de um conjunto de ideias a uma realidade.”

Portanto, tínhamos que trazer a realidade do conflito fundiário que a décadas se arrasta pelo Brasil, para novas ideias do nosso ordenamento jurídico, com isso, fomos apresentados a Lei n.º 13.140 de 26 de junho de 2015, conhecida popularmente como lei da mediação. A partir desta legislação, verificamos que o caminho para que o Poder Legislativo pudesse contribuir para a solução dos conflitos fundiários seria através da criação de um núcleo ou câmara de mediação dentro do seu espaço físico. Do mesmo modo, corroborando com a lei acima citada, o novo Código de Processo Cível que entrou em vigor no ano de 2016, preconiza de forma bastante clara o tema de soluções alternativas de conflitos.

Desta forma, foi requerida e aprovada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso, a instalação da Câmara Setorial Temática, que estudará a viabilidade jurídica da implantação do Núcleo Interno Especializado em Soluções Alternativas de Conflitos agrários e regularização fundiária Rural e Urbana. O que se pretende com a instalação desta CST, é ao final dos seus trabalhos deixar um legado para toda a sociedade, que sirva como política de estado, permanecendo ao longo do tempo.

Elvis Klauk JR - Presidente CST

VÍDEOS

"Centro-Oeste carrega o Brasil nas costas, sem contrapartidas"

OPINIÃO

Vencendo as diferenças
O dia 25 de junho marca a adoção pela ONU (Organização das Nações Unidas) da Declaração e Programa d...
Quem tem ideal não envelhece
Achei, nos meus alfarrábios, texto que publiquei, em 3 de maio de 1987, na Folha de S. Paulo, dedica...
ver mais

ENTRENENIMENTO

Cinema
Diretor de A Múmia afirma: "Fiz o filme para o público, não para os críticos"

TECNOLOGIA

Google - for - Jobs
O sistema de buscas da Google pode ajudar a encontrar seu próximo emprego

ESTADO

Saúde
Governador critica deputados que são contra repasse de R$ 82 milhões para Saúde
Simcar
Produtores de Mato Grosso têm 90 dias para fazer adequações no novo sistema de CAR